Ouça agora na Rádio

Ouça agora

Estudo é aprovado por indígenas e Governo avança para obtenção de licenciamento de pavimentação da BR-174

Postado em 09/12/2020 por

Compartilhe agora.

O Estudo de Componente Indígena, necessário para obtenção do licenciamento ambiental para a obra de pavimentação e construção de pontes de concreto na rodovia federal BR-174, foi aprovado pelas comunidades indígenas Araras do Rio Branco e Povo Rikbaktsa. Este processo se arrastava desde 2014 e a aprovação é mais um passo importante que o Governo do Estado dá para a realização das obras na rodovia federal.  Os projetos para pavimentação e construção de 23 pontes na BR-174 estão sendo elaborados pela Secretaria de Estado de Infraestrutura de Logística (Sinfra), por meio de um convênio com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNit), formalizado em 2013. Na ocasião, ficou sob a responsabilidade do Governo do Estado a elaboração dos projetos, a obtenção de licenciamento ambiental e a execução das obras na rodovia.  A superintendente Ambiental de Obras da Sinfra, Nadja Felfili, explica que em razão de a rodovia cortar terra indígena, passando por duas comunidades, a obtenção de licenciamento é muito complexa e consiste em muitas etapas envolvendo vários órgãos, como a Fundação Nacional do Índio (Funai), a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), além dos próprios índios. 

Imagem de arquivo – Foto: Assessoria do governo Segundo ela, o processo de licenciamento ambiental da BR-174 começou em 2014, quando a Sinfra protocolou junto à Sema a versão final do Estudo Ambiental para obtenção de licenciamento. Para emissão do documento, o órgão ambiental consultou a Funai quanto a necessidade do Estudo de Componente Indígena e a Funai encaminhou o termo de referência à realização deste estudo e do Plano Básico Ambiental Indígena, necessários para que a Funai pudesse dar sua anuência para a emissão das licenças ambientais contemplando seis terras indígenas: Erikbaptsa, Japuíra, Escondido, Arara do Rio Branco, Kawahiva e Piripikura.  Após isso, a Sinfra elaborou e encaminhou o relatório de planejamento das atividades e mobilização para análise e aprovação da Funai, avançando mais um passo para a realização das obras.  Porém, o Ministério Público Federal recomendou que fosse realizada consulta prévia junto às comunidades indígenas afetadas pelas obras, antes de qualquer mobilização.   Em janeiro deste ano, a Sinfra realizou as oitivas com os indígenas sobre este plano de trabalho e protocolou a versão definitiva do Estudo de Componente Indígena na Funai, para aprovação. Uma vez aprovado pelo órgão, o estudo foi novamente apresentado às comunidades indígenas, para incluir as considerações dos Rikbaktsa e dos Arara. As reuniões foram realizadas nas últimas semanas e o Estudo de Componente Indígena, finalmente, foi aprovado pelas duas comunidades. 

Imagem de arquivo – Foto: Assessoria do governo Com a aprovação, a Funai irá encaminhar a anuência para liberação da licença prévia da obra de pavimentação e licença de instalação das pontes à Sema, conforme explica Nadja Felfili. A previsão é de que as licenças sejam emitidas até o final do próximo mês de janeiro. Para Nadja Felfili, essa aprovação foi uma “vitória”, uma vez que o licenciamento garante que as obras das pontes possam começar já em 2021. Já a pavimentação ainda depende da elaboração do Plano Básico Ambiental Indígena, necessário para a obtenção de licença de instalação. “Fizemos uma tratativa com os indígenas e com a Funai, para que pudéssemos fazer primeiro as obras das pontes. E eles aceitaram e concentramos esforços para a elaboração Plano Básico Ambiental Indígena, licenciamento concomitante a execução das obras de artes (pontes). Enquanto estiver realizando as pontes, vamos trabalhando na elaboração do Plano Básico Ambiental Indígena”, explicou.

Deixe um comentario

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.