Ouça agora na Rádio

Ouça agora

Misael não acredita que o fato de Emanuel virar réu prejudique projeto de reeleição

Postado em 15/09/2020 por

Compartilhe agora.

Presidente da Câmara de Cuiabá, Misael Galvão não acredita em prejuízos à reeleição de Emanuel Pinheiro (MDB) que virou réu em ação na Justiça Federal, que apura suposto pagamento de “mensalinho” a deputados estaduais na Gestão Silval Barbosa. No sábado (12), o PTB de Misael anunciou apoio à reeleição de Emanuel e, durante convenção, aprovou a indicação de Milton Correa para vice.

“O prefeito já tem feito a sua defesa e agora vai falar novamente com a sociedade. Esse é problema que ele vai ter que encarar, discutir com a Justiça e provar sua inocência. Não vai prejudicar a reeleição e o eleitor vai poder ouvir a fala do prefeito e fazer sua avaliação”, disse ao .

Misael tenta evitar que volte ao plenário para votação o relatório da CPI que pede o afastamento por 180 do prefeito para investigação das acusações de Silval e Silvio Corrêa, ex-chefe de Gabinete, que filmou Emanuel recebendo dinheiro. O prefeito nega que tenha recebido propina e alega que o valor se tratava do pagamento de dívida de Silval ao ser irmão, Popó Pinheiro.

Para o presidente da Câmara, não haveria necessidade do desgaste com nova votação do relatório, pois o Legislativo teria seguido os trâmites legais, mas garante que vai respeitar a decisão judicial que mandou o plenário votar novamente, enquanto aguarda resultado do recurso. Tanto que já enviou o documento à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara para reanálise.

“O vereador Marcelo Bussiki foi à Justiça e nós respeitamos, mas entendemos que fizemos nosso papel dentro da legalidade e temos direito ao recurso. Se sair a decisão a nosso favor, tudo bem. Mas se tiver que votar novo, nós vamos seguir tranquilamente”, disse.

Eleições

Durante a convenção no sábado, Misael reafirmou o apoio ao prefeito, logo após ser divulgada a decisão da Justiça Federal tornando réus Emanuel e outros 9 ex-deputados acusados pelos crimes de corrupção ativa e associação criminosa.

Deixe um comentario

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.