Ouça agora na Rádio

Ouça agora

MP investiga presidente de sindicato, fazendeiros e empresas por fraudes ambientais em MT

Postado em 05/07/2019 por

Compartilhe agora.
Rdnews

O Ministério Público Estadual instaurou mais seis inquéritos civis para investigar empresários, fazendeiros e empresas por suspeitas de fraudes ambientais por intermédio do sistema da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), em decorrência da Operação Polygonum. Dentre os investigados está o presidente do Sindicato Rural de Água Boa, Antônio Fernandes de Mello, conhecido como Tonico. 

As portarias são assinadas pelos promotores de Justiça, Marcelo Caetano Vacchiano e Joelson de Campos Maciel, das 15ª e 16ª Promotorias de Justiça Cível de Defesa do Meio Ambiente Natural. O objetivo das investigações é buscar elementos que subsidiem a propositura de ações civis na Justiça pedindo bloqueio de bens dos acusados por crimes ambientais. 

Tônico será investigado sob suspeita de lançamento de informações inverídicas num Cadastro Ambiental Rural (CAR) de 2018, relativo à “Fazenda Maravilha”, situada no município de Água Boa (740 km de Cuiabá). 

Antônio de Mello tomou posse em dezembro de 2017 como presidente do Sindicato Rural de Água Boa para presidir a entidade por três anos. Ele também participa ativamente de assuntos ligados ao agronegócio em Mato Grosso. 

Outro inquérito investiga a empresa Barra do Cravaria Agroflorestal S.A, por lançamento de informações inverídicas num cadastro ambiental rural de 2017, relativo à "e;Fazenda Palmasola"e;, situada no município de Juara (695 km de Cuiabá). A empresa está localizada no município de Nova Ubiratã e atua na extração de madeira em florestas plantadas e nativas, além de atividade de reflorestamento com abate e produção de carvão vegetal. 

Outra empresa investigada é a Egide Investimentos e Participações Ltda envolvendo a 'Fazenda Égide', também em Juara. A empresa foi aberta em junho de 2015 e tem em seu quadro de sócios a Palmasola S.A Madeira e Agricultura, a Barra do Cravari Agroflorestal S/A e ainda Marciano Rubel como administrador. 

Outros investigados pelos mesmos delitos são Ademir Tomelin envolvendo a “'Fazenda Sumatra II', no município de Santa Carmem, João Adelar Konzen e Nelson Valdemar Konzen, por inserção de informações falsas no cadastro ambiental da “Fazenda São Carlos”, situada na cidade de Tabaporã. João Konzen é dono da Madeireira Sertão e consta como sócio de outras empresas naquele Município. 

Constam nas portarias do Ministério Público que já foram constatadas ocorrências de ilícitos civis, administrativos e penais praticados no lançamento de informações inverídicas em 345 Cadastros Ambientais Rurais. Todos foram cancelados ou suspensos pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) após a confirmação das fraudes.

A Operação Polygonum foi deflagrada pela Polícia Civil em 2018 para investigar fraudes no sistema de regularização e monitoramento de propriedades rurais no Cadastro Ambiental Rural, na Sema. Diversos servidores foram detidos e, na sua última fase, em dezembro de 2018, o então secretário de Meio Ambiente, André Baby, foi preso.

Rdnews

Link da Notícia

Deixe um comentario

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.